segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Testando o City Bus

Depois de alguns meses eu andei no City Bus.

Foi no domingo. E de zero a dez eu dou 5,5.

A idéia era sair da rodoviária, de onde desembarquei vindo de Brasília, e descer na esquina da minha casa, no Setor Pedro Ludovico. Um deslocamento tranqüilo, apesar da Feira Hippie.

O tempo médio de espera, no domingo, é de 25 minutos, conforme o prometido pela Rede Metropolitana de Transporte Coletivo. E foi aí que começou o problema.

Fiquei pelo menos 40 minutos na avenida Goiás. Cansei de esperar e peguei a primeira linha que passou – a 911, que liga o Portal Shopping à Praça Cívica. E foi no Centro que desci.

Confuso com o mapa impreciso enviado pelo correio, saltei na praça e um orientador me informou que ali passava a linha 901. Aí mostrei o mapa, que não indicava essa informação. O fiscal então me passou outra linha.

Desconfiado, ignorei a informação e minutos depois perguntei a outro orientador. Mais preciso, ele me orientou a pegar a 909, que vai até o Residencial Eldorado, mas disse que eu deveria descer no primeiro ponto após a Praça Tamandaré.

Depois de mais de hora, pouco além do “tempo médio”, peguei a nova linha. Dentro do City Bus, o mapa me confundiu de novo. É que por ele a integração da 909 com a 901 é na praça Tamandaré. Mas o motorista da 909 me disse que a 901 não passa na praça.

Reorientado, desci no ponto da Assis Chateaubriand com a Portugal e esperei outros 20 minutos. Só aí eu consegui pegar a linha na qual eu deveria embarcar na porta da rodoviária.

Do ponto até minha casa o trajeto foi tranqüilo. Ônibus com ar condicionado, motorista educado e boa praça. Esses foram os pontos positivos. E saiu bem mais barato do que pegar um taxi.

Tudo bem que fui um tanto afobado e o apressado come cru. Mas quem pega um ônibus desse quer agilidade e preço em conta. Mesmo assim, apesar de ser ônibus, a orientação prejudicou o deslocamento.

E o mapa também foi ruim, já que é pouco preciso.

O serviço pode ficar bem melhor, especialmente na rodoviária e no aeroporto.

Mas para isso é preciso explicar melhor o trajeto e os pontos da linha.

Acho que isso explica o meu 5,5.

Um comentário:

Maria Cristina disse...

Eu já fiquei uma hora na porta da Assembleia esperando o Citybus, quase morri de raiva. Concordo quando diz que ao pegar um transporte como esse o usuário espera agilidade e falta isso ao "businho". Assim, fica difícil deixar o carro em casa e se aventurar em pontos de ônibus por aí.