quarta-feira, 4 de março de 2009

Chicó e Jamal se conheceram?


Definitivamente não. Mas o protagonista de Quem quer ser um milionário? tem a mesma forma de contar histórias que o amigo de João Grilo.

A diferença é que no vencedor do Oscar, as histórias contadas para responder as perguntas feitas ao personagem parecem mais reais e têm uma sequência lógica. Ou seja, tem um roteiro bem amarrado.

Aliás, esse é o único o ponto forte do filme de Danny Boyle e que talvez tenha sensibilizado os "jurados" da academia.

No mais, Quem quer ser um milionário? é recheado de clichês e tem uma história digna de sessão da tarde, com alguns lances engraçados e uma proposta "moralizante" (entre aspas mesmo, para não dizer melodramática de cara), recheada de visões sobre a Índia.

Algo bastante parecido com o Auto da Compadecida, que apesar da visão cômica faz questão de trazer no roteiro visões de Ariano Suassuna e Guel Arraes sobre miséria, corrupção, traições, traquinagens. A diferença é que a tônica do humor prevalece no Auto, bem diferente do "drama" vivido por Jamal.

Mesmo assim, é possível ficar com a sensação de que Chicó e Jamal se conheceram.

2 comentários:

Rodrigo Alves disse...

O que tocou mesmo os "jurados" da academia foi a grana. Não encontro outra justificativa para dar tanto prêmio para esse filminho mais ou menos se não a de que Hollywood está tentando entrar em Bollywood pela porta da frente (ou por uma janela aberta). Eles não estão nem aí para a qualidade artística e cinematográfica. Até mesmo O Curioso Caso de Benjamin Button, por exemplo, merecia muito mais levar o prêmio de melhor filme. Mas os dois verdadeiros melhores filmes do ano (em se tratando de indústria cinematográfica), Batmam - O Cavaleiro das Trevas e Ensaio sobre a Cegueira, mal foram lembrados.

Raquel disse...

Concordo com ambos!!!!!!
Filminho bem fraquinho...
Quanto aos motivos reais que levaram os jurados a votarem tanto, "não sei, só sei que foi assim!".