domingo, 11 de janeiro de 2009

Campeã e mãe ao mesmo tempo - Aliança FC

Em casa, era hora de curtir a menina. Além dos familiares, visitas de fora. “Aqui em casa tava lotado. Quase todas as meninas do Aliança vieram”. A saudade da bola, lógico, apareceu. Mas só em 2007 ela pôde vestir o uniforme. E foi no Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino que Patrícia percebeu o peso das mudanças. Numa partida contra o Caxias, ela teve que sair de campo. Paola chorava e foi preciso 15 minutos de peito para acalmá-la. Depois, Luiz Cezar ficou com a criança e Patrícia correu para ajudar o time. Mas não dava mais tempo. O placar terminou 11 a 0 para o Caxias.

Com o tempo, Paola cresceu e Patrícia já não precisava desfalcar o time para amamentar a filha. A preocupação está apenas nos estudos e no futuro da criança, além, é claro, do futebol. As duas só se separam na hora do jogo, como no empate por 3 a 3 que deu o título de campeão estadual de futebol feminino ao Aliança, em junho de 2008. Na hora de receber a taça, a capitã fez questão de equilibrar filha e troféu no colo. Depois elas foram para casa guardar mais uma medalha no quarto que dividem, com um berço rosa ao lado da cama de solteira, num belo exemplo de como o clube se tornou uma família. Bem maior do que a que mora na casa do Gentil Meirelles.

Nenhum comentário: