terça-feira, 6 de outubro de 2009

Música boa e tranquila


Unthought Known - Backspacer

Artist: Pearl Jam
Composer: Pearl Jam


All the thoughts,... You never see,... You’re always thinking,...
Brain is wired,... Brain is deep,... Oh are you sinking?,...

Feel the path of every day,... Which road you taking?,...
Breathing hard,... & Making hay,... Yeh this is living,...

Look for love & evidence,... That you’re worth keeping,...
Swallowed whole in negatives,... It's so sad & sickening,...

Feel the air up above,... A pool of blue sky,...
Fill the air up with love,... Black w/starlight,...

Feel the sky blanket you,... w/gems & rhinestones,...
See the path cut by the moon,... For you to walk on,...
For you to walk on,...

Nothing left,... Nothing left,...
Nothing there,... Nothing left,...

See the path cut by the moon,... For you to walk on,...
See the waves on distant shores,... Awaiting your arrival,...

Dream the dreams of other men,... You’ll be no ones rival,...
Dream the dreams of others then,... You will be no ones rival,...
You will be no ones rival,...

A distant time,... A distant space,... That’s where we’re living —..
A distant time,... A distant place,... So what you giving?,...
What you giving?

domingo, 27 de setembro de 2009

Dúvida

No final das minhas férias, uma matéria sobre a Micarê Goiânia, feita pelas repórteres Carla Oliveira e Marília Assunção informou que um médico e seu amigo foram espancados e assaltados na saída da "folia".

O detalhe é que o médico pediu à Marília Assunção "para não ser identificado porque atende em um posto público de saúde. Ele diz que foi atacado na rua por dez rapazes".

O fato é lamentável, mas fiquei intrigado.

Por acaso o médico pediu para não ser identificado porque deveria estar no posto de saúde?

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

domingo, 30 de agosto de 2009

Seleção para limpeza na política

Vida pregressa é uma coisa que pesa.

No trabalho, num concurso público, em uma entrevista de emprego... nosso passado pode nos ajudar ou até mesmo condenar.

A própria CLT permite demissão caso o trabalhador seja condenado por crime doloso. E a gente se submete.

E por que os políticos também não seguem essa regra?

Quando se candidatam eles devem ter uma vida sem condenação por crimes como homicídio, estupro, agressão e principalmente sem envolvimento por desvio de verbas ou mau uso do dinheiro público.

Hoje em dia essa regra não existe. Mas ela está no papel, pronta para ser posta em prática, com o abaixo assinado do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral.

A idéia é apresentar um projeto de lei de iniciativa popular que barre a candidatura de quem tem a ficha suja.

Atualmente o projeto tem um milhão de assinaturas, mas faltam 300 mil, que precisam ser coletadas até o dia 7 de setembro.

Mas isso é fácil. A lista está disponível no site do MCCE e pode ser impressa em qualquer computador. Aí é só preencher com o nome completo, título de eleitor e data de nascimento.

Isso pode ser feito, por exemplo, no trabalho. Pegue uma lista, passe entre os colegas. Ela também pode ser levada para casa, onde pai, mãe e irmãos também podem assinar.

Depois é só mandar pelos Correios ou entregar na Igreja Católica ou na OAB. Mas se estiver em Goiânia prefira a Igreja porque a OAB já deu sinais de pouco envolvimento com o assunto.

Com essas assinaturas é possível entregar às nossas “excelências” um projeto que vai, no mínimo, mostrar o potencial delas para representarem o povo, afinal a proposta é de iniciativa popular e tem respaldo de diversos setores da sociedade civil organizada.

Aí será a hora da verdade. E tomara que isso limpe o Congresso Nacional, os Governos e as Prefeituras.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Sobre a qualidade da TV


A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados lançou nesta semana o 16º Ranking da Baixaria na TV, que faz parte da campanha Quem financia a baixaria é contra a cidadania.

Na lista estão os piores programas da TV brasileira. Essa classificação é feita com base em denúncias que apontam práticas de sensacionalismo, apologia à violência e ao ódio, apelo sexual e exposição de pessoas ao ridículo.

Hoje os piores programas da TV com base em denúncias fundamentadas são:

1º lugar: Jogo Aberto - TV Bandeirantes - 88 denúncias
2º lugar: Pânico na TV - Rede TV - 69 denúncias
3º lugar: Super Pop - Rede TV - 33 denúncias
4º lugar: Na mira - TV Aratu/SBT (Salvador/BA) - 31 denúncias
5º lugar: Se liga Bocão - TV Itapoan/Record (Salvador/BA) - 22 denúncias

De acordo com a campanha, todos eles trazem conteúdo que é tema de uma lamentação quase generalizada na sociedade - a de que TV não presta.

Normalmente, nesta crítica, pelo menos alguns amigos meus já disseram que preferem desligar ao invés de reclamar. Até porque nem têm como fazer a queixa.

Mas esse fato não é verdade, já que como aprendi na faculdade de comunicação social/jornalismo, um veículo de mídia só é um meio de comunicação efetivamente dizendo se o "receptor" participa do ciclo mandando uma resposta ao "emissor", seja ele rádio, TV, jornal ou site.

Por esse motivo, se a programação não agrada ou é ruim, mande emails para a emissora. Essa é a primeira alternativa.

A segunda é fazer a denúncia no site Ética na TV. Nele, o telespectador pode apresentar a reclamação. Se tiver embasamento, ela é encaminhada ao Ministério Público Federal, que pode acionar as emissoras de acordo com a violação de princípios constitucionais.

Confesso que gostaria de ver alguns programas policiais daqui de Goiânia nesta lista, assim como algumas atrações evangélicas que "mostram" o capeta dominando as pessoas ou outros que mostram os serviços de casas de "strip-tease e algo mais" nas madrugadas.

Na lista da baixaria também deveria aparecer o nome dos "anunciantes".

Isso ajudaria o telespectador a saber quem financia esse tipo de projeto.

Afinal, emissoras de TV, bem como as de rádio, possuem uma concessão de serviço público e por essa razão elas devem ter responsabilidade social. E isso é algo vai além de caridade ou plantio de árvores.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Testando o City Bus

Depois de alguns meses eu andei no City Bus.

Foi no domingo. E de zero a dez eu dou 5,5.

A idéia era sair da rodoviária, de onde desembarquei vindo de Brasília, e descer na esquina da minha casa, no Setor Pedro Ludovico. Um deslocamento tranqüilo, apesar da Feira Hippie.

O tempo médio de espera, no domingo, é de 25 minutos, conforme o prometido pela Rede Metropolitana de Transporte Coletivo. E foi aí que começou o problema.

Fiquei pelo menos 40 minutos na avenida Goiás. Cansei de esperar e peguei a primeira linha que passou – a 911, que liga o Portal Shopping à Praça Cívica. E foi no Centro que desci.

Confuso com o mapa impreciso enviado pelo correio, saltei na praça e um orientador me informou que ali passava a linha 901. Aí mostrei o mapa, que não indicava essa informação. O fiscal então me passou outra linha.

Desconfiado, ignorei a informação e minutos depois perguntei a outro orientador. Mais preciso, ele me orientou a pegar a 909, que vai até o Residencial Eldorado, mas disse que eu deveria descer no primeiro ponto após a Praça Tamandaré.

Depois de mais de hora, pouco além do “tempo médio”, peguei a nova linha. Dentro do City Bus, o mapa me confundiu de novo. É que por ele a integração da 909 com a 901 é na praça Tamandaré. Mas o motorista da 909 me disse que a 901 não passa na praça.

Reorientado, desci no ponto da Assis Chateaubriand com a Portugal e esperei outros 20 minutos. Só aí eu consegui pegar a linha na qual eu deveria embarcar na porta da rodoviária.

Do ponto até minha casa o trajeto foi tranqüilo. Ônibus com ar condicionado, motorista educado e boa praça. Esses foram os pontos positivos. E saiu bem mais barato do que pegar um taxi.

Tudo bem que fui um tanto afobado e o apressado come cru. Mas quem pega um ônibus desse quer agilidade e preço em conta. Mesmo assim, apesar de ser ônibus, a orientação prejudicou o deslocamento.

E o mapa também foi ruim, já que é pouco preciso.

O serviço pode ficar bem melhor, especialmente na rodoviária e no aeroporto.

Mas para isso é preciso explicar melhor o trajeto e os pontos da linha.

Acho que isso explica o meu 5,5.